Hold me.

Todo aquele tempo, e aqueles beijos. Todas as palavras trocadas, e os abraços mais sinceros. Eu me sentia segura. Eu me sentia feliz, como se os sorrisos escapassem a toda hora, sem eu nem senti-los.

Eu queria jogar com você em uma tarde como se vivêssemos eternamente de férias. Viajar a dois, ou em milhares, e sentir sua presença ao meu lado nas mais loucas experiências.

Valia a pena arriscar. Valia a pena parecer boba, e voltar às minhas atitudes e emoções mais primitivas.

Como o conto de fadas que eu não queria que terminasse. Disfarçadamente, preferia seu cheiro à todos os que pudessem existir. Estava tomada pelo amor e nem ao menos tinha me dado conta. Apostando no incerto, tive todas as certezas que procurava.

Bobagem minha, não passava de brincadeira, mas eu adorava brincar.

Por que sinto tanto a falta do seu bom dia? Por que aquele jeito sem graça me fascinou tanto, desde o primeiro dia?

Até mesmo as atitudes mais infantis e as dúvidas mais simples, me deixavam encantada. Você se perdia, e eu me achava cada vez mais. Me achei nos seus braços, na sua cama, me achei nos seus beijos, e nos seus sorrisos. Me achei no que você era toda vez que estávamos juntos. Me aventurei e me permitiria muito mais, se o tempo parasse ali, ou se corresse com nós dois.

Segurança, e até um friozinho na barriga inesperado. Você me passava isso,

Foi quando achei que você tivesse optado que fiz minha escolha. Foi quando te senti distante que me afastei para mais longe ainda.

Esperei mais amor de onde talvez devesse correr.

Voltei a ler quadrinhos bobos de paixonites, e chorar em músicas que falam de amor.

Chorei de novo por sentir o que já não lembrava como era.

Neguei ao mundo o que nem eu percebia, mas que agora aflorou.

Continuarei negando,  pra esconder minha fraqueza. E prometo a mim mesma ser forte, mesmo que eu saiba que já te perdoei pelo que me magoou.

Quero deixar o tempo levar as lágrimas, mas espero que o tempo traga aquele sabor novamente para mim.

Sei como virar todas as páginas, mas ainda tento deixar um fio ligado à capa dessa história, para um dia poder voltar para ela e ver como tudo começou.

Repeat. Na música, nos olhares, no jeito doce que você agia quando estava perto de mim. Repeat em tudo o que nos encantou e nos envolveu.

Neguei o amor, e me peguei amando. Quando vi já havia conforto, já havia saudade, já havia história, já havia querer. Já restava nós dois, já sobrávamos e isso bastava.

Hoje fica uma vontade de falar o que guardei para mim, de sorrir uma vez mais, um querer tão grande de mostrar os planos que queria ter realizado e não deu tempo.

Se quiser saber o que guardei de tudo, e o que você não viu, ou ouviu, mas está aqui, basta um olhar e eu direi. Basta um toque, um chamado, e saberei abrir minha alma para sua encostar.

Fica a esperança, e a saudade. Porque saudade sempre haverá.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s